3 poemas de Ingeborg Bachmann

por Ingeborg Bachmann
Brice Marden - D'après la Marquise de La Solana para Ingeborg Bachmann

A filósofa, poeta e prosista austríaca Ingeborg Bachmann tende a ser lembrada por sua amizade com Paul Celan – mais do que por sua poesia, o que atravessa, inevitavelmente, a maioria das leituras de seus poemas. 

Eu a conheci por sua amizade com Fleur Jaeggy – o que atravessa, inevitavelmente, toda a leitura de seus poemas.

Desnecessário dizer que é uma injustiça à Ingeborg. Seus poemas e sua persona não carecem das amizades para se sustentarem – ainda assim, todos eles parecem ser dedicados às pessoas mais queridas de sua vida; parecem ter sido escritos para que fossem lidos pelas pessoas mais queridas de sua vida.

São um misto de ode ao mundo e segredo partilhado. Ora teatrais, ora discretos. 

Sempre homéricos.

Eis 3 excertos de “o tempo adiado e outros poemas” [1], traduzidos por Claudia Cavalcanti.

Anna Carolina Rizzon


Canções em Fuga (VIII)

…terra, mar e céu.
Revolvidos em beijos
a terra,
o mar e o céu.
Envolvida por minhas palavras,
a terra,
ainda envolvidos por minha última palavra
o mar e o céu!

Castigada por meus sons
esta terra,
que soluçando em meus dentes
ancorou
com todos os seus altos-fornos, torres
e altivos cumes,

esta terra abatida,
que diante de mim desnudou seus barrancos,
suas estepes, desertos e tundras,
esta terra sem descanso
com seus palpitantes campos magnéticos,
que prendeu a si mesma
com correntes de forças que ainda desconhece,

esta terra anestesiada e anestesiante
com mudas de erva-moura,
venenos de chumbo
e fluxos de aroma —

afundada no mar
e aflorada no céu
a terra!


Sombras rosas sombra

Abaixo de um céu desconhecido
sombras rosas
sombras
acima de uma terra desconhecida
entre rosas e sombras
numa água desconhecida
minha sombra


Canções de uma ilha

Frutos de sombra tombam dos muros,
luz do luar tinge a casa, e a brisa do mar
traz cinza de vulcões arrefecidos.

Nos abraços de belos rapazes
dormem as praias,
tua carne lembra-se da minha,
já me afeiçoava a ela
quando os navios
se soltaram da terra e cruzes
com nosso fardo mortal
subiram ao mastro.

Agora os cadafalsos estão vazios,
eles procuram e não nos acham.

—–

Quando ressuscitares,
quando eu ressuscitar,
não haverá pedras diante do portão,
não haverá botes no mar.

Amanhã os barris rolarão
contra ondas dominicais,
iremos à praia
de pés ungidos, lavaremos
as uvas e pisaremos
a colheita para o vinho,
amanhã na praia.

Quando ressuscitares,
quando eu ressuscitar,
o carrasco estará pendurado no portão,
o machado afundado no mar.

—–

Um dia há de ser o da festa!
Santo Antônio, tu que tanto sofreste,
São Leonardo, tu que tanto sofreste,
São Vito, tu que tanto sofreste.

Lugar de nossas orações, lugar dos que oram,
lugar da música e da alegria!
Aprendemos a simplicidade,
cantamos no coro das cigarras,
comemos e bebemos,
os gatos magros
roçam em torno de nossa mesa;
até começar a missa da tarde
seguro-te pela mão
com os olhos,
e um coração tranquilo e corajoso
oferece-te os seus desejos.

Mel e nozes às crianças,
redes cheias aos pescadores,
fertilidade aos jardins,
lua ao vulcão, lua ao vulcão!

Nossas faíscas ultrapassaram as fronteiras,
à noite foguetes formaram
uma roda, a procissão afasta-se
em jangadas sombrias e concede
o tempo ao pré-mundo,
aos lagartos rastejantes,
à planta regozijante,
ao peixe febril,
às orgias do vento e do desejo
da montanha, onde uma estrela
devota se perde, bate-lhe
no peito e vira pó.

Agora sejam constantes, santos insensatos,
digam à terra firme que as crateras não descansam!
São Roque, tu que tanto sofreste,
tu que tanto sofreste, São Francisco.

—–

Quando alguém vai embora, tem de jogar
ao mar o chapéu com as conchas
recolhidas ao longo do verão,
e partir com os cabelos ao vento,
tem de lançar ao mar
a mesa posta para o seu amor,
tem de derramar no mar
o resto do vinho que ficou no copo,
tem de dar aos peixes seu pão
e misturar ao mar uma gota de sangue,
tem de enfiar bem sua faca nas ondas
e afundar seu sapato,
coração, âncora e cruz,
e partir com os cabelos ao vento!
Então ele retornará.
Quando?
⠀⠀⠀⠀⠀Não perguntes.

Há fogo sob a terra,
e fogo é pureza.

Há fogo sob a terra
e pedra que não pesa.

Há um fluxo sob a terra,
que em nós não retesa.

Há um fluxo sob a terra,
e nos ossos, leveza.

Vem aí um grande fogo,
vem aí um fluxo sobre a terra.

Testemunhas seremos, certeza.


Referências:

[1]: O tempo adiado e outros poemas; Ingeborg Bachmann; trad. Claudia Cavalcanti; editora Todavia.


Anna Carolina Rizzon nasceu no Rio de Janeiro, cresceu em Teresópolis e se exilou em São Paulo. É incompetente em diversos segmentos artísticos, mas insiste mesmo assim. Especialmente na escrita. Colabora com a Fazia Poesia e a Revista Úrsula e posta aleatoriedades nos blogs vOltas h a v e r e s.

1 Comment

  1. […] Ingeborg Bachmann (1926-1973) foi uma escritora e poeta austríaca, doutora em filosofia que traçou sua escrita a partir da fronteira, da coalisão com o desconhecido inesgotável. O tempo adiado e outros poemas (Todavia, 2020) com seleção, tradução e posfácio assinados pela pesquisadora brasileira Claudia Cavalcanti, trouxe para o público nacional um panorama iluminado do legado poético de Bachmann. […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close