4 poemas de Lilian Sais

por Lilian Sais
Arte: Still-life of figs in a basket and fruit on a ledge, de William Hammer.

Lilian Sais é  poeta e romancista. Formada em Letras, tem mestrado e doutorado em Letras Clássicas, pela Universidade de São Paulo, e atua como editora de texto e de conteúdo. Também produz e roteiriza o podcast Como o poema, que investiga processos criativos de poetas contemporâneas. Publicou, entre outros, Motivos para cavar a terra (2022, Cepe Editora), livro vencedor do 6º Prêmio Cepe Nacional de Literatura na categoria Poesia, e O funeral da baleia (2021, Patuá), contemplado pelo ProAC 2020 e finalista do Prêmio São Paulo de Literatura na categoria “Melhor Romance de Estreia”. Em 2023, publicou O livro do figo (Edições Macondo), parte do projeto Lances, manobras e partidas – contemplado pelo ProAC 2022 na categoria poesia.


FLUTUAÇÃO

eu amo os figos
da figueira atrás
da tua casa

vou até a figueira
três vezes
por semana

nos outros dias
leio
sobre figos

li por exemplo
que cultivamos figueiras
desde a idade
das pedras

e é com as suas folhas
que adão cobre as partes
quando percebe
que está nu

as folhas da figueira
são recortadas
então adão cobre as partes
mas não muito

e os ramos da figueira
são frágeis
quebram fácil
de um jeito
que não sei explicar

mas o figo
não é frágil

se você nunca viu
um figo
pense numa pera
um pouco menor

ou veja um figo
porque também
já está na hora

come-se o figo em saladas patês
compotas geleias sorvetes
recheios de assados
molhos e outros tipos
de refeição

come-se o figo
inclusive sozinho
com uma mão
ou duas

o figo é carnudo
a polpa é suculenta
come-se o figo
como quiser


PECADO

minha mãe não deixava
levantar da mesa
com comida no prato
a comida que você coloca
no prato você tem
que comer
porque tem gente
que não tem o que comer
nem muito menos prato

minha tia
a irmã do meu pai
tinha muitos pratos e talheres
quando eu dormia
na casa dela
no café da manhã
ela abria a geladeira
e perguntava

quer coca-cola?

ela não tinha marido
nem filhos
mas além dos pratos
e dos talheres ela tinha
muita coca
eu gostava de coca

mais do que de leite
mas eu também gostava
de leite por isso
aceitei quando
João me ofereceu
um leitinho com amor

eu estava em jejum
e descobri que não
gostava do amor
o que eu gostava mesmo
era de brincar
de me esconder
e ficar sozinha
por muito tempo
até sentir fome

daí eu aparecia
para comer porque
como todo mundo sabe
saco vazio não para
em pé


VALOR

todos os dias
antes de dormir
pego um cotonete

fico deitada
passando o cotonete
nas sobrancelhas

uma duas três vezes
na sobrancelha direita
na sobrancelha esquerda

e de novo e de novo

como se tivesse
braços magros
e pernas
muito finas

quando acordo
procuro o cotonete
na cama
e olho para ele

as sobrancelhas
acariciadas
simétricas

e os olhos
bem abertos

daí fico corada
lembrando
do professor Antunes
que no fim da aula
sempre dizia

vá com deus
jovenzinha
deus vê tudo
minha filha


anda
fecha a janela
o vento vem forte
hoje a noite faz dois graus
que pode um agasalho
contra esse frio


Você acabou de ler uma seleção de poemas de O livro do figo (Edições Macondo, 2023), novo livro de poemas de Lilian SaisGostou dos poemas? Adquira-o clicando aqui!

Mais sobre a obra

Em uma pulsão oral entre o erotismo e a ingenuidade, os poemas que compõem esse novo trabalho de Lilian Sais, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura, parecem querer descrever certas coisas, entretanto, com um riso malicioso no canto da boca, é como se soubessem que essa tarefa não é uma brincadeira, mas sim um jogo, por isso o princípio do prazer montando cada verso. Um dos primeiros modos de se acessar o mundo, o que não por acaso reverbera em todo o livro, é pela boca. A boca encostada em coisas pequenas, em breves mordidas, para falar daquilo que é grande e não fica visível de um jeito fácil. O livro do figo é uma forma de usar a boca para, junto dela, encontrar algum reencantamento com um mundo em pedaços. Colocar para fora as palavras e, categoricamente, colocar para dentro as coisas que come. Daí o ato mundano de comer não só com a boca, mas também com as mãos, as frutas, os amantes, o jogo.


Arte: Still-life of figs in a basket and fruit on a ledge, de William Hammer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close