5 poemas de Fábio Pessanha

por Fábio Pessanha
Arte: Casario numa rua, de D. Carlos I.

Fábio Pessanha é poeta, doutor em Teoria Literária e mestre em Poética (UFRJ). Estuda a obra de Orides Fontela para o pós-doutorado no PPG em Estudos de Literatura (UFF). É autor de na escuta o gatilho (Rizoma Projetos Editoriais, 2023), A forma fugaz das mãos (Patuá, 2021), A hermenêutica do mar – Um estudo sobre a poética de Virgílio de Lemos (Tempo Brasileiro, 2013). Assina a coluna “palavra : alucinógeno”, na Revista Vício Velho.


Do livro na escuta o gatilho (Rizoma Projetos Editoriais, 2023) [1].

douglas de paulo (@douglasdpaulo) –“lua”

lua

aqui estamos. sob o peso do mundo, 
que é acima e entre nós, abaixo e 
na medida das imperfeições. não 
sei dizer se criação tem a ver 
com um sujeito pleno de potência 
ou se talvez mais perto esteja do 
ínfimo do qual somos comunhão. 
não sei dizer a exatidão do que 
é enquanto sou. não sei o sabor 
preciso do que experimento ou do
que deixo quando parto do lugar-
comum de onde penso. mas aqui estamos. 
como um satélite, que gravita em 
torno de outro corpo, e brilha 


renan alvarenga (@renanalvarengapoeta) – “ornitorrinco”

linhagens

metáfora é uma palavra que diz
a singularidade de uma coisa
por referência à outra. heterogênea
porque ela mesma, a metáfora, ocupa
um lugar de transição, transitivo.
olhando com cuidado, dá até para
dizer que o tal composto vivo – o então
humano – é também esse espaço misto.
difícil saber ao certo do que
se fundamenta, por trazer consigo
peste, fé, revolução. mas a gente
cogita ser feito de palavra e
poesia, erro, metamorfose,
metafonia e também uma ou outra
evolução. por tudo que é vivo e
revisto, verbal de voo no que
se diz e é dito, tal como a metáfora
é híbrido, só não põe ovo como
a ave-mamífero ornitorrinco


paula akkari (@akkari.psi) – “outrora”

insight

vou te contar um lance: o antigamente
não existe, é uma invenção vivida
durante o presente. o tempo de agora
é esquivo ao que se mostra, graça do
que passa. a gente faz fotos com a ideia
de conservar a eternidade. filma,
pinta, arquiteta, atrasa como pode
a sina ou sorte. tudo com o desejo
de estar vigente. nem este poema, 
nota quântica antimorte, resiste 
                                        ao que revela


escavação

escrevo uma carta, poema, e-mail,
envio um pombo-correio a fim de
dizer qualquer coisa além de sintaxes.
partilho contigo: há muita vontade
de cavar ruas no meio do asfalto


almodóvar

um filme do almodóvar
pra te dizer 
tá tudo bem, 
            mas é mentira


[1] Os três primeiros poemas integram a primeira parte do livro, que foram escritos a partir de palavras ou frases enviadas por seguidores do meu perfil no instagram. Como parte do projeto dialogal do livro, fiz questão de mencionar as arrobas das pessoas que contribuíram com a ideia.


Arte: Casario numa rua, de D. Carlos I.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close