amargos como os frutos

por Paula Tavares
Ana Paula Tavares e quadro de Francisco Van-Dúmen

O cercado

De que cor era o cinto de missangas, mãe
feito pelas tuas mãos
e fios do teu cabelo
cortado na lua cheia
guardado do cacimba
no cesto trançado das coisas da avó

Onde está a panela do provérbio, mãe
a das três pernas
e asa partida
que me deste antes das chuvas grandes
no dia do noivado

De que cor era a minha voz, mãe
quando anunciava a manhã junto à cascata
e descia devagarinho pelos dias

Onde está o tempo prometido pr’a viver, mãe
se tudo se guarda e se recolhe no tempo da espera
p’ra lá do cercado


Amargos como os frutos

Dizes-me coisas tão amargas
como os frutos…
KWANYAMA

Amado, por que voltas
com a morte nos olhos
e sem sandálias
como se um outro te habitasse
num tempo
para além
do tempo todo

Amado, onde perdeste tua língua de metal
a dos sinais e do provérbio
com o meu nome inscrito

⠀⠀⠀⠀Onde deixaste a tua voz
⠀⠀⠀⠀macia de capim e veludo
⠀⠀⠀⠀semeada de estrelas

Amado, meu amado,
o que regressou de ti
é a tua sombra
dividida ao meio
é um antes de ti
as falas amargas
como os frutos


MUKAI (6)

P’ra não morrer nos teus lábios de prata
era preciso ser pássaro e serpente

p’ra não sentir os teus lábios de prata
era preciso ser mulher e gente

p’ra não sofrer nos teus lábios de prata
era preciso ser sonho
uma cabaça fechada

P’ra não morrer dos teus lábios de prata
era preciso não ser mulher, pássaro e gente.


Mulher VIII

Que avezinha posso ser eu
agora que me cortaram as asas
Que mulherzinha posso ser eu
agora que me tiraram as tranças
Que mãe grande mãe posso ser eu
agora que me levaram os filhos


As viúvas

Devorei a carne do boi do fogo
tudo até ao fim e o coração

No entanto,
Kalunga, oh Kalunga,
como estou necessitada
como preciso de sorte.
Aqui a fome é tanta
que as mulheres devoraram a carne dos bois dos
homens
e as que eram virgens envelheceram
ninguém cumpriu os preceitos
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀e agora somos viúvas da floresta
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀e temos os sonhos perdidos

E o pai no princípio
tinha amarrado os peixes
e o pai no princípio
tinha soltado a chuva
a vaca voltava todos os dias
e não estava sozinha
tinha as tetas cheias
e os passarinhos.
Agora, Kalunga, oh Kalunga,
traz-nos o sossego, o sono
a gordura das rãs
os nossos ciclos de sangue
e os passarinhos.


Ana Paula Tavares. Nascida na Huíla, sul de Angola, Poeta e historiadora. tendo obtido o grau de Mestre em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Tem poesia dispersa em jornais e revistas em Angola, Brasil, Portugal, Alemanha, Suécia, e Canadá. Em 1999, publicou vários estudos sobre história de Angola na Revista “Fontes & Estudos” de Luanda.

Francisco Van-Dúnem (Van) é mestre em educação artística pela University of Surrey Roehampton, Londres, em colaboração com o Instituto Superior Politécnico de Viana do Castelo (Portugal), membro fundador da União Nacional dos Artistas Plásticos e co-fundador e professor da Escola Média de Artes Plásticas em Luanda. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close