Ética fétida

por Yvonne Miller
Desenho de Ariyoshi Kondo.

Yvonne Miller nasceu em 1985 na Alemanha, mas prefere o calor do Nordeste brasileiro, onde mora desde 2017. Cronista e contista, tem textos publicados em várias antologias e é uma das organizadoras e coautoras da coletânea de contos cearenses Quando a maré encher (Mirada, 2021). Pela Aboio, publicou Deus criou primeiro um tatu – Crônicas da Mata (Aboio, 2022).


Da janela da cozinha, os olhos voam por cima da academia de tênis, por cima também de um labirinto de casinhas de tijolo aparente, de pátios e becos até esbarrar na fachada branca de um prédio. Lá no alto, acima ainda do último andar, algum artista urbano provavelmente arriscou sua vida para fazer uma pixação. Demorei para perceber que aquilo eram letras. Depois demorei para decifrar as palavras que elas formavam. Depois demorei para entender significado e sentido. Ética fétida. 


Duas coisas não deixam de me surpreender desde que vim morar no Papicu: a grande quantidade de sujeira e a pouca quantidade de acidentes de pedestres envolvendo buracos nas calçadas. Alguns desses são capazes de engolir a perna inteira de uma pessoa que passa desprevenida por ali. Quem sabe olhando pro celular ou simplesmente andando no escuro. Deu um passo e zás! – com sorte tem algum lixo acumulado no fundo para amortecer a queda.  

Outro dia estava voltando do passeio com Chico. Ia eu levando a coleira na mão esquerda e o saquinho com o cocô dele na direita, varrendo a rua com o olhar em busca de uma lixeira quando passei ao lado de um estacionamento.  

— Tem um buraco bem ali — o vigia apontou uns metros mais à frente. 

Achei fofo ele me prevenir. Focada como estava na minha busca, poderia facilmente ter pisado no vazio e zás! – lá se vai um pé ou um fêmur quebrado. O moço poderia muito bem não ter me avisado; no fim das contas não me conhece nem nada. Mas ainda há pessoas no bairro que se preocupam e zelam umas pelas outras, uma ética comunitária pairando pelos ares malcheirosos, porém afetuosos, do Papicu. De repente me senti imensamente feliz e privilegiada em morar aqui e poder fazer parte dessa grande rede de apoio vizinhal. Melhor bairro da cidade – em toda Fortaleza não há cidadão melhor do que o papicuense! Agradeci ao jovem com meu melhor sorriso. 

— Pra senhora jogar o saco. 

Demorei, mas finalmente entendi. Era isso. Ética fétida.


Desenho de Ariyoshi Kondo.

1 Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close