poeminha brasileiro

por Mauro Paz
Foto de Luísa Machado para ilustrar "Poeminhas brasileiros" e outros poemas de Mauro Paz.

Mauro Paz é mestrando em Teoria Literária (PUCRS), roteirista e autor dos livros Por Razões Desconhecidas (IELRS), finalista do Prêmio SESC de 2012; São Paulo – CidadExpressa (Patuá); e do romance Entre Lembrar e Esquecer (Patuá), finalista do Prêmio São Paulo de Literatura 2018. Recentemente, organizou as antologias Contos de Quarentena 1 e 2.


PLANALTO 

Ao pular da nau,
em São Vicente,
o condenado João Ramalho
ganhou a nova chance
de Adão. 

Subiu o planalto.
Desposou Bartira.
Foi pai mestiço.
E renasceu Piratininga,
filho de Tibiriçá. 

Na cruz de Anchieta,
reencontrou o pecado.
Desde então,
tudo queima
por aqui.

POEMINHA BRASILEIRO 

É tanto céu, tanto mar
Tanto barquinho que vai
Tanto barquinho que volta
Tanta chibata que estala
Neste porto em que somamos
Mais de duzentos milhões 

quase todos pretos
Dando porrada na nuca
de malandros pretos
De ladrões mulatos
e outros quase brancos
Tratados como pretos 

Todos ligados
na mesma emoção
Pra frente, vamos
Todos juntos, vamos
Despachar, só nesse ano,
mais 600 mil irmãos 

SOBRE O MEDO E OUTRAS ASSIMETRIAS

Quem tem 
                          medo 
                                         do Paulo?

Que horror é esse
                                          a um professor

delgado  
                     centenário

que nem 
                     respira mais
                                                   entre nós?

Quem teme 
                             Paulo
                                            não aprendeu

o alfabeto 
                         do tijolo,
                                           panela cheia

não cavoca 
                            o chão com 
                                                    a enxada

Nem sabe 
                         o cheiro 
                                           que nosso trabalho tem

Quem teme 
                             o Paulo
                                              acredite

também teme
                                 a rua 
                                            o mato
                                                         o tambor

a moça 
                  que dança
                                           só

E treme
                     só de lembrar 

que o sol 
                      acorda 
                                      para todos.


Foto de Luísa Machado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close