Sempre justo, por Yvonne Miller

por Yvonne Miller
Arte: At Breakfast, de Zinaida Serebryakova.

Yvonne Miller nasceu em 1985 na Alemanha, mas prefere o calor do Nordeste brasileiro, onde mora desde 2017. Cronista e contista, tem textos publicados em várias antologias e é uma das organizadoras e coautoras da coletânea de contos cearenses Quando a maré encher (Mirada, 2021). Pela Aboio, publicou Deus criou primeiro um tatu – Crônicas da Mata (Ed. Aboio, 2023). O livro está em pré-venda interativa até dia 23/03. Clique aqui para garantir 10% de desconto + frete grátis + seu nome em todos os exemplares da obra!


Minha esposa tá numa vibe de receitas novas e low carb. Hoje é a vez do pão de queijo caseiro. O pão de queijo low carb se faz na frigideira e parece uma omelete, mas o cheiro é delicioso. Sem perder tempo, divido os dois pães de queijo fumegantes em três porções iguais: parto-os pela metade e corto a quarta metade em três pedaços do mesmo tamanho. Nessas horas costumo citar a frase célebre da minha mãe quando criança: “Sempre justo!”

Consigo, sem problemas, visualizar minha mãe aos dez anos com suas duas tranças, fiscalizando com as mãos apoiadas no quadril, a repartição da sobremesa de domingo entre ela e as duas irmãs. Mais tarde, ela virou juíza e sofreu a vida profissional toda com um sistema de Justiça quadrado e burocratizado que, por vezes, a forçava a praticar o contrário do que a criança idealista dentro dela chamaria de justo. Não obstante, em casa aplicava aquela justiça simples e infantil, fácil de entender para mim e minha irmã. Na hora de partir bolo ou pizza, o esquema era o seguinte: uma corta, a outra escolhe. “Sempre justo!”, reforçava minha mãe, observando tudo com as mãos no quadril.

— Eu acho que sua mãe tá errada — diz a Larissa, inspecionando a divisão igualitária do lanche: — Quem disse que é justo todos receberem a mesma quantidade, sendo que temos necessidades diferentes? Não seria mais justo fazer a divisão segundo a necessidade de cada um?

Seria? Acho o conceito interessante. Se o mundo fosse uma casa, o justo não seria deixar os quartos maiores para as famílias com crianças? Ou dividir o aluguel proporcionalmente, dependendo das possibilidades de cada um? Que os pratos mais cheios fossem destinados àqueles com as barrigas mais vazias e as melhores escolas para quem depende dela para construir seu futuro?

Ainda estou imersa nas minhas reflexões filosóficas, quando Morena chega na cozinha e torce o nariz ao ver o novo invento culinário da mãe.

— Omelete?
— Nãm. Pão de queijo terraplanista — respondo mastigando.
— Eca!

Enquanto a menina pega uma maçã, Larissa e eu nos lançamos sobre seu terço do lanche.

— Eu não falei? — diz minha esposa. — Bem mais justo!


Arte: At Breakfast, de Zinaida Serebryakova.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close