Substância tempo

por Diego Rezende
Fotografia: Vista de rua comercial – Autoria não identificada (Acervo Instituto Moreira Salles).

Diego Rezende nasceu em Viçosa (MG) no final de 1986. Atualmente, mora em Belo Horizonte (MG). Possui doutorado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Publicou Até que o infinitivo escrever tome arranjo em minha extinção (Urutau, 2022), Todo oceano transporta um incêndio (Urutau, 2020) e Livrou-se (Funalfa, 2015).


I
escuto o compasso
a cadência do envelhecimento
estudo as camadas geológicas dos anos
as variações de textura que se formulam desmoronando as barreiras da cronologia
manuseio as paredes descascadas
a mobília tomada pela plantação
as raízes enviesadas em bibliotecas centenárias
pois assim posso sentir o transe dos dejetos
dos detritos cobertos de musgo
dos escombros engendrando um pensamento
inominável
nos meandros do isso
do esse
do aquilo

II
há ainda a ação de ensaiar uma forma quando tudo é inóspito
rude
arredio
quando tudo se comporta de lida fugidia
de contorno gelatinoso
quando tudo que o organismo absorve vai se desfazendo
restando apenas margens puídas
porosas
de energia obtusa
enquanto o diáfano se infiltra nos órgãos vitais
desenvolvendo uma membrana andrógina
íntima
indomável
mortiça
em busca do desembaraço do tormento
da carcaça do fluxo

III
gosto de passar horas a fio analisando as lâminas de luz que penetram as fissuras
e formam vultos no vazio
as lâminas que dão costura às ruínas sonoras rasgadas pelo fulgor
que regem partituras oblíquas sobre o piso de madeira
sobre os ruídos que se excedem e permanecem uníssonos
sobre os estalos abruptos que parecem fagulhas saindo de um ar incendiário

IV
trabalho os depósitos que continuam a se emoldurar na região plúmbea da mitologia
lavrando calmamente o húmus da ficção
sob o imenso peso do intangível
e fabrico espectros de futuro a partir das faíscas desencadeadas no núcleo de uma gigante
vermelha prestes a explodir
a partir de uma tempestade de lava em um planeta sem nome
a partir dos indícios que se preservaram de uma espécie extinta

V
abrigo por fim a regência de um estado manual
no qual a língua
a garganta
e os pulmões funcionam de maneira primitiva
onde a escrita flui pelos ossos
pela carne
pelo sangue da curvatura da mão direita
sustentando a dignidade do inefável
a convulsão dos vernáculos
a dilatação devastadora do silêncio originário


Fotografia: Vista de rua comercial – Autoria não identificada (Acervo Instituto Moreira Salles).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close