3 poemas de Sergio Mello

por Sergio Mello
Arte: Kissing the Moon, de Winslow Homer.

Sergio Mello nasceu em São Paulo, em 1977. É autor dos livros No Banheiro um Espelho Trincado (Ciência do Acidente, 2004); Inimigo em Testamento (Soul Kitchen Books, 2013) e Puma (Corsário-Satã, 2019). Como dramaturgo, escreveu mais de uma dezena de peças. Pela Aboio, publicou Socos na Parede & Outras peças (Ed. Aboio, 2023).


zona disco da língua
parafinada
de vértebras-esquis

brisa gengibre à janela
grega
de uma casa parietal

uma voz
que ao sair da torra
tigra o ar


Astor

1.

Uma revolução que se levanta da incapacidade 
de se falar a língua de onde se nasce. 
E no cruzamento entre as ruas Luz Arenosa e
Batente Mareado – a pobreza, essa escadaria interminável:
um degrau sim, arcada, um degrau não, outra arcada etc. 
–, anos em revoada, busto nuclear.
 
Pertencer um dia à Nova York dos italianos
azeitados (nunca a mim mesmo), 
embora incapaz de odiar 
o tango que fez meu pai chorar uma única lágrima 
que pesava um ídolo morto numa queda de avião em Medelín. 
 
Assim como combustíveis fósseis 
deixam o céu de outono tão doce
quanto um furúnculo 
(ou como se toda a América do Sul tivesse nascido do mesmo zíper),
o mar, a se punir com suas próprias glândulas (demão do amanhã), 
nunca foi tão prata; tampouco branco, Bach, e carmim, Mozart. 
 
2.
 
Uma revolução erguida pelo direito de se falar 
a língua da terra escolhida para se pescar. 
E na Flores Negras, altura da Praça Mandíbula Stravinsky, 
onde fadas são índias loiras, 
Miles Davis fuma, ensanguentado feito uma bromélia. 
 
Deixar que te sele a carne (em vão) uma orquestra. 
Para que, entre o trato alfandegário de taxistas
a praguejarem que me chova a lona da morte
e as trocas de socos agendadas com tangueros de peruca,
reste sempre esse azedume de amendoim japonês, 
verniz de todas as virilhas,
a me crepuscular desde a ponta a língua.
 
Meus filhos querem me ver 
pelas costas, a vanguarda nunca atingirá a maioridade
do tilintar de pinças, sopinha de giz e fardão
dos que venceram, orgulhosos, um sabe-se lá o quê,
com seus vultos de saúde derramada. 
Toco nas menores salas de concertos de Mar del Plata, 
metade das cadeiras vazias.

E sob a lua, o mais portenho dos corpos,
atrás de nuvens de minissaias,
nuvens negras brancas –
e através do linho isabel dessa tenda 
de antiguidades chamada Buenos Aires 
–, em vez de alma arrefecida, garfo de varrer.

À Paris de Nadia Boulanger! 
Proa febril, passos de mesa, meias de algas,
insone feito um panda, a cavar meus amuletos 
para um dia finalmente poder enxaguá-los nos chás
do Candomblé.  
 
3.
 
Um levante que atravesse o tempo
que ainda tenho de vida: o equivalente a uma semana, 
quando se está no cume de uma acne elétrica. 
E entre a Aníbal Troilo e a Osvaldo Pugliese,
mais precisamente diante da Torre Milton Nascimento,
mesmo depois de ver aterrissados os discos aéreos do corpo, 
crer que o mundo, se dividido,
e somente assim, 
quase chega a ser a minha gangue.

“Como você gostaria de morrer?”
Pergunta-me a repórter. 
Estou velho, pararam de me cuspir.
A Morte nada mais é do que ser salvo
de alguém que o havia salvado;
a Felicidade, um mar apinhado de tubarões. 
E no horizonte uma nau arruivada pelo amanhecer
regressa do futuro, como de um beijo ou do sono,
empunhando arma inédita só não mais letal que sêmen.

Estou velho, pararam de me cuspir e ainda manco
como um garotinho. 
Bertolucci quer que eu componha o seu Last Tango, 
Mick Jagger tenta tirar Adiós Nonino ao piano 
em seu castelo localizado no tutano de um nevoeiro. 
A música de Piazzolla se parece com nada
mais do que a si mesma, diz o New York Times, 
e isso é o suficiente. 
 
“Astor?”
Insiste a repórter, voz rarefeita.
“Como você gostaria de morrer, Astor? Dormindo?”
Estou velho, fechado num Armani preto,
num quarto de paredes nuas como um rosto sem olhos.
Pararam de me cuspir – Dormindo não.
Pararam de me cuspir – Dormindo nunca!
Quero morrer violentamente…


Mãe Sem Título

embale esse rolinho de bife-boneca
que sou eu

besuntado da alva lama e geleias pente
coce minha córnea-limão
com seus dedos de laca

arremesse às hélices meu travesseirinho
de estopa-vodu
nossas tardes em confetes de lusco-fusco e ira

e sob o tutu roxo da noite
me diga: da próxima vez que vier, traga você
pois é o tom raro da pelagem que encarece o cão

sou eu tudo aquilo que deixei de ter


Arte: Kissing the Moon, de Winslow Homer.


Conheça o livro que a Aboio publicou de Sergio Mello: Socos na Parede & Outras peças (Ed. Aboio, 2023).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

faz um PIX!

Caso dê erro na leitura do QRCode, nossa chave PIX é editora@aboio.com.br

Comprando durante a pré-venda, você garante o livro com 10% de desconto e ainda leva o nome impresso nele! Clique aqui e saiba mais.

DIAS :
HORAS :
MINUTOS :
SEGUNDOS

— pré-venda no ar! —

Literatura nórdica
10% Off

Shopping cart close